A chegada do nado peito e a falsa golfinhada

Written on:setembro 7, 2014
Comments
Add One

O atleta Felipe França, campeão mundial dos 50m peito, já se envolveu com algumas polêmicas ao longo de sua carreira, tanto em competições nacionais como em internacionais. No Brasil, já foi declassificado por golfinhadas irregulares durante a prova de peito, e em Campeonato Mundial usava e abusava de um artifício irregular mas que era praticamente impossível de detectar ao olho humano fora d’água, apenas com uso de câmera subaquática: as múltiplas golfinhadas logo após a entrada n’água durante a saída das provas. Confira alguns vídeos com a polêmica golfinhada, que também era executada por diversos outros peitistas:

Já na chegada, havia também outra irregularidade muito difícil de confirmar no olho humano: a golfinhada junto com a última braçada antes do toque na placa:

Houve polêmica, claro, durante o Brasileiro em 2011:

Mas neste fim de semana, em Guaratinguetá, por ocasião do Troféu José Finkel, na prova de 50m peito, Felipe França tocou na borda e jogou muito alto os pés para cima, dando a impressão que estava fazendo uma golfinhada.

Errado. O movimento dele estava dentro da regra.

A golfinhada, pela regra da FINA, é um movimento das pernas para baixo e para cima, no plano vertical. No caso da chegada dele, como o tronco desce por causa do lançamento dos braços para a parede, o natural é a perna subir. O que ele fez foi elevar muito este movimento, tão forte que acaba lançando os pés para fora do nível d’água, o que também não é irregular já que naquele momento da chegada não é a parte propulsora da pernada, onde de acordo com a regra, os pés deveriam estar em posição externa como ocorre normalmente com a pernada de peito. Isso é uma “falsa” golfinhada.

SW 7.5 The feet must be turned outwards during the propulsive part of the kick. Alternating movements or downward butterfly kicks are not permitted except as in SW 7.1. Breaking the surface of the water with the feet is allowed unless followed by a downward butterfly kick.

A palavra-chave na regra é “downward”, que significa descendente ou “para baixo”, o que nos primeiros vídeos é bem claro de ver que o pé vai primeiro para baixo para depois subir. Mas em Guaratinguetá Felipe executou perfeitamente o movimento jogando a perna apenas para cima, ainda como que quisesse adquirir um impulso adicional com o movimento. O que, novamente, não é irregular.

Aliás, Felipe França não foi o único a realizar esse movimento, mas ele realizou com tamanha intensidade que deu a falsa impressão que estava dando uma golfinhada.

CBDA indica 8 árbitros para o quadro da FINA

Written on:fevereiro 27, 2014
FINA_logo_standard_color_small

Durante o 4o. Encontro Nacional de Árbitros de Natação, realizado de 21 a 23 de fevereiro, em Campo Grande/MS, a CBDA aproveitou para anunciar o nome de 8 árbitros para a futura lista número 18 da FINA. As indicações ainda precisam passar pelo aval da FINA: Regina Alves Thon, Paraná Daniel Javier Schneider, São Paulo Anderson Osório, Rio Grande do Sul Renato Melo Ferreira, Minas Gerais Andréa Coelho, Ceará Sandro…

Read more...

Vídeo: como é uma virada de costas regular

Written on:fevereiro 4, 2014
flip-turn

Recebemos uma contribuição de um português, Tiago Marques, que nos enviou o seguinte vídeo – muito esclarecedor e importante – e ele faz uma pergunta: a situação 3 não era para ser perfeitamente legal? A resposta é: depende. A análise dos caso 3 não pode ser considerada legítima, pois ele não começou imediatamente a execução da virada quando seus dois braços estavam na altura da cintura. Mas toda a ação…

Read more...

IV Encontro Nacional de Árbitros de Natação

Written on:janeiro 30, 2014
1012932_530996466997661_1632828487_n

A Federação de Desportos Aquáticos de Mato Grosso do Sul – FEDAMS – promove em conjunto com a CBDA a quarta edição do Encontro Nacional CBDA/Correios de Árbitros de Natação, de 21 a 23 de fevereiro, em Campo Grande. Segundo a carta-convite enviada a todas as Federações, cada Federação terá direito a enviar dois representantes do seu quadro de arbitragem, cujas despesas são pagas pelo Comitê Organizador. O tema do…

Read more...