sábado, junho 22, 2024
InícioNadadorAs categorias no Brasil

As categorias no Brasil

Como são divididos os nadadores no Brasil?

Como em todo o mundo, os nadadores são agrupados por faixa etária. Essa divisão vem desde 1993, quando a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos alterou as terminologias e faixas de idade para se aproximar do formato europeu. A idade que é informada significa que o atleta terá esta idade até o dia 31/12 do ano corrente. Ou seja, é muito natural encontrar nadadores com 11 e 12 anos nadando a mesma prova num determinado dia, porque o atleta de 11 anos ainda não comemorou seu aniversário naquele ano.

  • PRÉ-MIRIM: até 8 anos
  • MIRIM 1: 9 anos
  • MIRIM 2: 10 anos
  • PETIZ 1: 11 anos
  • PETIZ 2: 12 anos
  • INFANTIL 1: 13 anos
  • INFANTIL 2: 14 anos
  • JUVENIL 1: 15 anos
  • JUVENIL 2: 16 anos
  • JUNIOR 1: 17 anos
  • JUNIOR 2: 18 e 19 anos
  • SÊNIOR: 20 anos em diante

Muitas provas são nadadas em conjunto e então premiadas separadas, uma prática comum que visa principalmente agilizar a competição. Desta forma, as categorias são:

  • PRÉ-MIRIM: até 8 anos
  • MIRIM: 9 e 10 anos
  • PETIZ: 11 e 12 anos
  • INFANTIL: 13 e 14 anos
  • JUVENIL: 15 e 16 anos
  • JUNIOR: 17 a 19 anos
  • INFANTO-JUVENIL: 13 a 16 anos
  • JUNIOR-SÊNIOR: 17 anos em diante

Ainda é possível também encontrar competições com provas “absoluto” mas com premiação separada, nadando atletas de 11 anos com 18 anos, por exemplo.

No entanto, em nível sul-americano, a categoria permanece como antes de 1993:

  • JUVENIL A: 14 e 15 anos
  • JUVENIL B: 16 a 18 anos

Além da diferença na América do Sul, muita gente se perde durante o Multinations Swimming Meets, campeonatos realizados anualmente com o Brasil como convidado. Isso ocorre porque na Europa, além da divisão por faixa etária também agrupa-se feminino e masculino de forma diferente: para os nadadores de 16 anos – por exemplo – na mesma “categoria” enquadram-se as nadadoras de 14 anos, dois anos a menos. O motivo é fisiológico, porque o desenvolvimento das mulheres ocorre mais cedo que o dos homens.

Para os nadadores masters, a divisão de categorias ocorre agrupando atletas de 5 em 5 anos, partindo dos 20 anos:

  • PRÉ-MASTER: 20 a 24 anos
  • MASTER 25+: 25 a 29 anos
  • MASTER 30+: 30 a 34 anos

E assim por diante.

No caso de revezamentos, para as categorias pré-mirim a sênior funciona da mesma forma que em provas individuais: os 4 componentes tem que fazer parte de determinada faixa etária. Já no master, representa a soma de idades dos componentes:

  • PRÉ-MASTER ou 80+: soma de 80 a 99 anos;
  • 100+: soma de 100 a 119 anos;
  • 120+: soma de 120 a 159 anos;
  • 160+: soma de 160 a 199 anos;
  • 200+: soma de 200 a 239 anos;
  • 240+: soma de 240 a 279 anos;
  • 280+: soma de 280 a 319 anos;
  • 320+: soma de 320 a 359 anos;
  • 360+: soma de 360 a 399 anos;

Tecnicamente ainda existe a faixa 400+, mas não existe registro de recorde mundial de revezamento com esta faixa etária (imagina um revezamento onde 100 anos é o atleta mais “jovem”…).

Árbitro de Nataçãohttp://www.regrasdenatacao.com.br/
Olá, eu sou o árbitro de natação e adoro discutir sobre regras de natação. Leia, releia, discuta e conheça as regras que movimentam o nosso esporte.
RELATED ARTICLES

13 COMENTÁRIOS

  1. Concordo, infelizmente funciona assim. Meu filho nasceu em 29/12/10. Vai passar o ano de 2023 com 12 anos e competir na categoria infantil 13 a 14anos com meninos com uma diferença de idade de quase 9meses.

  2. Boa tarde meu filho tem 14 anos ano passado foi campeão do intercolegial de natação como faço pra colocar ele pra competir ?

  3. Como e onde encontro em Contagem/MG – campeonatos de natação para a faixa etária 44-45 anos. Comecei a nadar tem pouco tempo, mas quero saber tudo o que preciso para participar da categoria Master.

  4. Muito didático. Ressalvo que em relação aos revezamentos “master”, existe a categoria “misto”, onde homens e mulheres integram a mesma equipe de revezamento.

  5. Tenho um filho que vai completar 11 anos em 01/08/2017.
    Ele pratica natação a dois anos e tem um rendimento,no meu ponto de vista bom.
    Onde ele treina não tem uma politica de competição,eu particularmente gostaria de
    introduzi-lo em competições.
    Tenho dificuldade de obter informações de torneios amadores nessa faixa etária.
    Sei que posso estar forra do contexto,mas gostaria de obter ajuda sobre esse assunto
    e assim competindo poderá ter mais visibilidade e mais tarde participar de alguma equipe.

    Desde já agradeço
    Gilson

  6. Olá,
    meu filho iniciou na natação aos 3 anos e, particularmente, acredito que ele nada muito bem.
    Gostaria de inscrevê-lo em clubes que possam ajudá-lo a se profissionalizar.
    Vocês podem me dar orientações para este processo e sugestões de clubes que pegam crianças, atualmente, com 8 anos?
    Muito obrigada
    Fabiana

  7. Seria muito interessante que o blog aprofundasse esta questão da idade das categorias no Brasil.
    No post menciona-se que é natural que duas crianças com idade diferentes sejam classificadas na mesma categoria. Fiz uma pesquisa e verifiquei que nos EUA, Austrália e na Inglaterra, por exemplo, a idade, para fins de enquadramento na categoria é aquela do dia da competição. Assim assegura-se que todos os atletas naquele momento tem a mesma idade.
    Entendo que esta é uma questão importantíssima porque crianças que fazem aniversario nos últimos 3 meses do ano, no Brasil, tem evidentemente grande dificuldade de obter bons resultados nas categorias de base. Na fase de 8 a 14 anos, especialmente, 8 meses ou mais implicam um diferença significante no desenvolvimento físico da crianca.

Most Popular

Recent Comments

ALCIDES PEREIRA DA SILVA on Vídeo: como é uma virada de costas regular
Lidyane Maciel on As categorias no Brasil
Bruno Gouvea on A saída de mergulho
Guilherme da Silva on Nado borboleta na categoria master
Maria Salete ribeiro on As categorias no Brasil
GABRIELA AMANCIO VELOSO on Como é calculado o índice técnico
Sandra Belarmina da Silva Rodrigues on As categorias no Brasil
Anonimo on Regras oficiais
Victor hugo on A saída de mergulho
Marco Túlio Vichinski Rocha on As categorias no Brasil
Gilson Ataides Rodrigues on As categorias no Brasil
Marcia on Regras oficiais
Fabiana Machado Santos on As categorias no Brasil
José Carlos on Regras oficiais
Eduardo Alvim on Regras oficiais
Marco Batista on Entre em contato!
Marco Aurélio Marques Batista on Entre em contato!
Marco Aurélio Marques Batista on Árbitros brasileiros relacionados na FINA
wendell de oliveira freire on Entre em contato!
luis on Regras oficiais
Erlon Pinheiro on Regras oficiais
paulo roberto de souza on Regras oficiais
Natan Cyrino Volpini on Entre em contato!
Natan Cyrino Volpini on Perfil: Marcelo Falcão
hudson furlanetto silva on Virada errada de costas
Fenelon Vieira de Carvalho on Como é feito um balizamento?
miguel on Regras oficiais
Ninfa Aliaga Tello on Perfil: Marcelo Falcão
arbitro on Regras oficiais
Eduardo on Regras oficiais
Fernando Franco on A saída de mergulho
Fenelon Vieira de Carvalho on Mudanças no nado peito
arbitro on Regras oficiais
Julio Cesar on A posição dos pés
Ronaldo Marra on A posição dos pés
arbitro on Trajes aprovados
celso dolivo on Trajes aprovados
Germano Colling on A posição dos pés
jose estevam simoes on Entre em contato!
Ernesto Lima Filho on Entre em contato!
LUIZ FERNANDO on As categorias no Brasil
Daniel Takata on Swim-off: o que é isso?
Alexandre on A saída de mergulho
Adalberto on Voltando a submergir
Adalberto on Regras oficiais
Andréa Coêlho on Regras oficiais