sábado, abril 20, 2024
InícioRegrasCBDA reforça divulgação sobre uso de trajes para atletas de 12 anos...

CBDA reforça divulgação sobre uso de trajes para atletas de 12 anos ou menos

O Brasil ainda é um dos únicos países do mundo – Austrália seria o outro país notadamente conhecido – a adotar uma proibição de uso dos chamados trajes tecnológicos para os atletas até 12 anos de idade, que fazem parte das categorias pré-mirim, mirim e petiz.

O primeiro anúncio veio em 13 de setembro de 2017, com a proibição a partir de 2018 para os atletas até 10 anos (até mirim 2), e já estabelecendo que em 2019, os atletas de 11 e 12 anos (petiz 1 e 2) também seriam proibidos de competir em campeonatos oficiais com tais trajes:

https://cbda.org.br/cbda/natacao/boletins/9640/proibicao-de-trajes-de-alta-performance-para-categorias-mirim-e-petiz

“A Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos – CBDA vem comunicar a V.Sa. que, em uma decisão tomada por consenso no Conselho Técnico Nacional de Natação de Base (CTNNB), a partir da temporada 2018 não será permitido o uso de trajes de alta performance – conhecidos como “fastskin” – por atletas da categoria MIRIM, e a partir da temporada 2019 não será permitido o uso desses trajes por atletas da categoria PETIZ. Dentre as razões que o Conselho Técnico apresenta para a proibição estão:

PROIBIÇÃO DO USO DE TRAJES TIPO “FASTSKIN” PARA MIRIM E PETIZ

  • O preço: O traje é muito caro, e tem melhora apenas marginal (décimos de segundo) em categorias em que a criança melhora vários segundos por cada vez que compete. Portanto, a eliminação do traje nessas categorias de base irá democratizar a natação sem prejuízo técnico.
  • A cultura: Estaremos de forma indireta ensinando a criança que não é o traje que a faz nadar mais rápido, mas sim a técnica, a disciplina e o treino.
  • O incentivo: O petiz poderá almejar chegar à categoria Infantil para finalmente poder usar um traje de alta performance, iniciando assim a longevidade de sua carreira esportiva na natação.

Outras razões (em inglês) podem ser encontradas no link a seguir, do site da Victoria Swimming – Australia:https://vic.swimming.org.au/article.php?group_id=8620&id=2

Posteriormente será emitido um documento por esta Diretoria que regulamentará a proibição.

Em linhas gerais, não será permitida a compressão, o material e o formato típicos de um traje de alta performance, sendo permitido apenas o uso de sungas (masculino) e maiôs (feminino) tradicionais e amplamente disponíveis no mercado.”

Em 3 de janeiro de 2018, a CBDA estabeleceu mais detalhes sobre a responsabilidade da conferência:

https://transparencia.cbda.org.br/boletim/view?id=9743&titulo=proibicao-de-trajes-tecnologicos-para-atletas-das-categorias-pre-mirim-mirim-1-e-mirim-2-10-anos-ou-menos-

“Como definição de “trajes tecnológicos”, em linhas gerais, não será permitida a compressão, o material e o formato típicos de um traje de alta performance cuja lista pode ser conferida em https://www.fina.org/content/fina-approved-swimwear, sendo permitido apenas o uso de sungas (masculino) e maiôs (feminino) tradicionais e amplamente disponíveis no mercado.

O Árbitro Geral da competição será o responsável por analisar e julgar se o atleta está utilizando um “traje tecnológico” e poderá instruir sua própria equipe de arbitragem para auxiliar na análise. No caso de protestos ou dúvidas, a Comissão de Arbitragem da CBDA dará o parecer final e irrevogável especificamente sobre este assunto. Caso seja identificado que o atleta está utilizando um traje tecnológico, o atleta não será desclassificado, mas seu resultado final não será considerado válido e, portanto, não poderá participar de premiações (se houver) e pontuações (se houver) e outros relatórios ou prêmios que fazem referência aos resultados de uma competição.”

E no dia 6 de junho de 2022, a CBDA emitiu novo boletim reforçando a proibição, com citações às regras da FINA:

https://transparencia.cbda.org.br/boletim/view?id=11657&titulo=trajes-de-natacao-esclarecimentos

 BL 8.1 – O traje de natação aprovado pela FINA para ser usado nos Jogos Olímpicos e Campeonato Mundial – FINA, deve ser aprovado pela FINA doze (12) meses antes do início da competição e deve estar disponível para todos os competidores em 1º de janeiro do ano da realização dos Jogos Olímpicos e Campeonatos Mundial FINA. 

BL 8.2 – Os competidores devem usar apenas trajes com uma ou duas peças e nenhum item adicional como ligaduras nos braços ou pernas, deve ser considerado parte do traje. 

BL 8.3 – A partir de 1º de janeiro de 2010, o traje para os homens não deve passar acima do umbigo e nem também abaixo do joelho e para as mulheres não deve cobrir o pescoço, passar dos ombros e nem passar do joelho. Todo traje deve ser confeccionado com material têxtil. 

 GR 5.1 – Os trajes de todos nadadores (maiô/sunga, touca e óculos) devem estar de acordo com a moral e ser apropriado para cada esporte e não podem usar quaisquer símbolos considerado ofensivo. 

GR 5.2 – O traje não pode ser transparente. É permitido usar duas toucas. 

GR 5.3 – O árbitro geral da competição tem autoridade para excluir qualquer competidor cujo o traje não esteja de acordo com esta regra.

GR 5.4 – Antes que um novo traje de competição, novo modelo de nova concepção ou de nova textura seja utilizado em provas, deverá, o fabricante submetê-lo à consideração da FINA e obter a sua aprovação. 

A norma da CBDA dos trajes para a categorias Pré-mirim, Mirim I, Mirim II, Petiz I e Petiz, só são permitidos trajes confeccionados com material têxtil, ou seja com elastano e poliamida (lycra, elanca, algodão). Não sendo permitido trajes tecnológicos cuja a confecção contenha fibra de carbono (CARBON AIR). 

Aos pais, técnicos e atletas que ainda tem dúvidas, a CBDA recomenda que entrem em contato com o Diretor de Arbitragem da entidade, Prof. Marcelo Falcão, pelo e-mail marcelo.falcao@cbda.org.br

 

Árbitro de Nataçãohttp://www.regrasdenatacao.com.br/
Olá, eu sou o árbitro de natação e adoro discutir sobre regras de natação. Leia, releia, discuta e conheça as regras que movimentam o nosso esporte.
RELATED ARTICLES

Most Popular

Recent Comments

ALCIDES PEREIRA DA SILVA on Vídeo: como é uma virada de costas regular
Lidyane Maciel on As categorias no Brasil
Bruno Gouvea on A saída de mergulho
Guilherme da Silva on Nado borboleta na categoria master
Maria Salete ribeiro on As categorias no Brasil
GABRIELA AMANCIO VELOSO on Como é calculado o índice técnico
Sandra Belarmina da Silva Rodrigues on As categorias no Brasil
Anonimo on Regras oficiais
Victor hugo on A saída de mergulho
Marco Túlio Vichinski Rocha on As categorias no Brasil
Gilson Ataides Rodrigues on As categorias no Brasil
Marcia on Regras oficiais
Fabiana Machado Santos on As categorias no Brasil
José Carlos on Regras oficiais
Eduardo Alvim on Regras oficiais
Marco Batista on Entre em contato!
Marco Aurélio Marques Batista on Entre em contato!
Marco Aurélio Marques Batista on Árbitros brasileiros relacionados na FINA
wendell de oliveira freire on Entre em contato!
luis on Regras oficiais
Erlon Pinheiro on Regras oficiais
paulo roberto de souza on Regras oficiais
Natan Cyrino Volpini on Entre em contato!
Natan Cyrino Volpini on Perfil: Marcelo Falcão
hudson furlanetto silva on Virada errada de costas
Fenelon Vieira de Carvalho on Como é feito um balizamento?
miguel on Regras oficiais
Ninfa Aliaga Tello on Perfil: Marcelo Falcão
arbitro on Regras oficiais
Eduardo on Regras oficiais
Fernando Franco on A saída de mergulho
Fenelon Vieira de Carvalho on Mudanças no nado peito
arbitro on Regras oficiais
Julio Cesar on A posição dos pés
Ronaldo Marra on A posição dos pés
arbitro on Trajes aprovados
celso dolivo on Trajes aprovados
Germano Colling on A posição dos pés
jose estevam simoes on Entre em contato!
Ernesto Lima Filho on Entre em contato!
LUIZ FERNANDO on As categorias no Brasil
Daniel Takata on Swim-off: o que é isso?
Alexandre on A saída de mergulho
Adalberto on Voltando a submergir
Adalberto on Regras oficiais
Andréa Coêlho on Regras oficiais