Você está aqui: Home » Nadador » *Atualizado* A virada de Ryan Lochte: decisão da FINA nas provas de medley

*Atualizado* A virada de Ryan Lochte: decisão da FINA nas provas de medley

***ATUALIZAÇÃO EM 08/SET ***

A FINA emitiu um memorando agora sendo mais claro na intepretação da regra SW9.1: segundo a regra o nadador deve cumprir a prova do nado medley sendo 1/4 nado borboleta, 1/4 nado costas, 1/4 nado peito e 1/4 nado livre, sendo que o nado livre não pode ser borboleta, costas ou peito.

A partir do momento que o atleta saiu da parede na posição de costas, ele não está cumprindo a distância de 1/4 do nado livre e, portanto, deve ser desclassificado.

Memorando FINA sobre interpretação do nado livre no nado medley

Há 10 dias atrás, a FINA emitiu um comunicado sobre a intepretação da virada no nado livre na prova de medley, onde o atleta sai da parede na posição de costas, ondula de costas até os 15 metros e depois vira o corpo para continuar nadando crawl, cujo protagonista para este comunicado foi o americano Ryan Lochte, tetracampeão mundial dos 200m medley.

maxresdefault

 

Este comunicado, emitido durante o Campeonato Mundial Junior, realizado em Cingapura, e direcionado para o Comitê de Arbitragem e seus membros, não se encontra ainda na página oficial das regras da FINA (http://www.fina.org/H2O/index.php?option=com_content&view=article&id=4161&Itemid=184) e foi publicado em primeira mão pela Best Swimming:

FINA Technical Committee Medley Interpretation

According to SW 9.1 each of the strokes must cover one quarter (1/4) of the distance.
Being on the back when leaving the wall for the Freestyle portion of the Ind. Medley is covering more than one quarter of the distance in the style of Backstroke and is, therefore, a disqualification.
Backstroke swimming is only defined as being on the back.
FINA Rulebook references for the TSC interpretation.

SW 5 FREESTYLE

SW 5.1
“except that in individual medley or medley relay events, freestyle means any style other than backstroke, breaststroke or butterfly.”

SW 6 BACKSTROKE

SW 6.1 to SW 6.5
There are no kick or stroke requirements. The swimmer “must push off and swim upon his back throughout the race” “Some part of the swimmer must break the surface of the water throughout the race.” Except for the 15 m at the start and turn.

SW 7 BREASTSTROKE

SW 7.1 to SW 7.6
There are specific stroke and kick requirements.

SW 8 BUTTERFLY

SW 8.1 to SW 8.5
There are specific stroke and kick requirements.

MEDLEY SWIMMING

SW 9.1 Each of the strokes must cover one quarter (1/4) of the distance.

O comunicado então resume-se a dizer que ao virar de peito para o livre numa prova de medley, o atleta não pode estar na posição de costas ao deixar completamente a parede porque isso se caracteriza como nado de costas e, consequentemente, como o nado livre na prova de medley deve ser qualquer estilo desde que não seja borboleta, costas ou peito, o atleta deve ser desclassificado.

Ainda reforçam que o nado costas é o único entre os 4 que é nadado na posição de costas.

No Campeonato Mundial de Kazan, então, o nadador americano deveria ter sido desclassificado por não cumprir a regra SW 9.1, se naquela época houvesse este tipo de interpretação.

20110331184518-200m-individual-medley-swimmingsub-3-mins

Mas é estranho notar que utilizar uma parte da regra do nado de costas para justificar que estar na posição de costas no nado livre já caracteriza como nado costas. A distância não foi percorrida completamente em nado de costas ou ao menos houve braçadas na posição de costas.

Além disso, justificar que estar de costas é nado de costas também abre discussão para estar de bruços e começar a ondular, caracterizando o nado borboleta! Afinal, somente quando ele termina a ondulação para começar a nadar crawl é que notamos que o nadador realmente não estava nadando borboleta…

Imagine você se o atleta, porque quer, esta na prova de medley e no nado livre decide fazer uma filipina. Deve ele ser desclassificado porque ele infringiu a regra SW9.1, onde ele deveria completar a distância do nado livre em um estilo diferente do nado borboleta, costas ou peito? E se ele virar o corpo no meio da prova, para dar umas 3 braçadas de costas, deve ser desclassificado?

Ambos os casos citados acima são logicamente prejudiciais ao atleta, porque ele irá perder tempo porque está utilizando de um nado mais lento que o nado crawl.

Mas cabe uma interpretação de que a regra fala em cumprir um quarto (1/4) da distância da prova de medley em um estilo diferente de borboleta, costas ou peito. A ondulação de costas é apenas uma parte da distância.

E você, o que acha dessa “clarificação” da regra do nado livre na prova de medley?


Leia também: http://www.regrasdenatacao.com.br/a-virada-de-ryan-lochte/

Árbitro de Natação

Olá, eu sou o árbitro de natação e adoro discutir sobre regras de natação. Leia, releia, discuta e conheça as regras que movimentam o nosso esporte.

http://www.regrasdenatacao.com.br/

1 comentário

  1. Ondular de costas não é nado costas,assim como ondular de frente não é nado borboleta!Infelizmente a FINA teve a intenção deliberada e maldosa de prejudicar o Ryan Lochte ou qualquer outro nadador que queira imitá-lo.Enfim,deprimente essa ignorância da FINA!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *