Você está aqui: Home » Árbitro » O protesto contra a decisão do árbitro

O protesto contra a decisão do árbitro

O mundo inteiro assistiu. O mundo inteiro ficou pasmo com a desclassificação de Taehwan Park nas eliminatórias dos 400m livre na Olimpíada de Londres. Mas depois o mundo ficou aliviado de ver o atual campeão olímpico defender o título na final. Quer dizer, nem todo mundo…


Park na saída, com Daniel Schneider ao fundo.

Aos fatos: Park largou da baliza 4, nadou os 400m, chegou em 1o., mas depois foi desclassificado. O canadense Ryan Cochrane acabou sendo beneficiado com isso e foi incluído na final como o 8o. tempo. A federação coreana, obviamente, apelou. O Comitê Técnico da FINA – na verdade chamado de Juri de Apelação – reuniu-se. A decisão foi tomada: haveria reversão na desclassificação e com isso Cochrane novamente seria o 9o. lugar. Agora foi a vez da federação canadense apelar, mas não teve resultado positivo.

London (GBR), July 28, 2012 – The FINA Jury of Appeal met today in the Aquatic Centre and examined the protest lodged by the Korean Swimming Federation regarding the disqualification of swimmer Tae-Hwan Park in the heats of the men’s 400m free, and based on the recommendation of the FINA Technical Swimming Commission decided to reinstate the above mentioned swimmer in the final of the men’s 400m free.

Mas como é o processo de apelação nas provas de natação?

Tirando o fato de que isso pode ter prejudicado na performance do atleta na final – ele foi vice-campeão olímpico, atrás do chinês Sun Yang – o acontecimento acabou por desmerecer, mais uma vez, uma decisão do árbitro geral.

Na regra, a decisão do árbitro geral é soberana:

SW 2.1.6 The referee shall disqualify any swimmer for any violation of the rules that he personally observes. The referee may also disqualify any swimmer for any violation reported to him by other authorised officials. All disqualifications are subject to the decision of the referee.

Mas como em qualquer esporte, existe a possibilidade do protesto.

GR 9.2 Protests

GR 9.2.1 Protests are possible

(a) if the rules and regulations for the conduct of the competition are not observed,
(b) if other conditions endanger the competitions and/or competitors, or
(c) against decisions of the referee; however, no protest shall be allowed against decisions of fact.

Os protestos são possíveis se as regras não foram seguidas, ou se as condições colocaram em perigo os atletas ou contra uma decisão do árbitro geral. O item (c) foi o caso. Mas, continuando o item, tem um item bem capcioso: nenhum protesto pode ser feito contra decisões do fato.

No site da Swimming Canada, encontramos uma explicação sobre o que é “decisions of fact”:

“Decisions of Fact” are sometimes a problem.  A protest cannot be allowed if the dispute is over something that actually, or factually occurred.  (ex: a swimmer swims the butterfly stroke in a breaststroke event; or, a swimmer leaves the pool without completing the correct number of laps for that event; or, a relay team member jumps into the pool before all swimmers have finished their race)  These are examples of “decisions of fact”.  There is no judgement call by an official in such circumstances.  It happened; it is a fact. 

Decisões de fato são às vezes um problema. Um protesto não pode ser feito se é uma disputa sobre algo que é fato, algo que ocorreu, como por exemplo, um nadador que nada borboleta numa prova de peito, ou que ele saia da piscina antes de completar a prova inteira, ou ainda quando um componente do revezamento pula na piscina sem a prova ter acabado… São fatos e não há como protestar. Seria o caso da partida, correto? É fato, ele saiu antes do sinal, inegável. Mas não foi o que ocorreu. Daí prossegue o protesto.

GR 9.2.2 Protest must be submitted

(a) to the referee,
(b) in writing on FINA Forms,
(c) by the responsible team leader,
(d) together with a deposit of 100 Swiss Francs or its equivalent, and
(e) within 30 minutes following the conclusion of the respective event or match.

Os protestos tem que ser enviados para o árbitro geral, usando formulário da FINA, escrito pelo responsável da equipe, depositar 100 francos suíços e tem que ser feito até 30 minutos após a ocorrência.

If conditions causing a potential protest are noted prior to the event a protest must be lodged before the signal to start is given.

Se a condição do protesto é notada antes da prova, o protesto tem que ser feito antes da partida daquela prova.

GR 9.2.3 All protests shall be considered by the referee. If he rejects the protest, he must state the reasons for his decision. The team leader may appeal the rejection to the Jury of Appeal whose decision shall be final. In Olympic Games and World Championships the Commission in each discipline shall consider the protest and give recommendations to the Jury of Appeal.

O árbitro geral pode ainda recusar um protesto, mas ele tem que justificar. Daí então om responsável da equipe vai ao Juri de Apelação, última instância para decisão na competição.

GR 9.2.4 If the protest is rejected, the deposit will be forfeited to the management body of the competition. If the protest is upheld, the deposit will be returned.

Se o protesto for negado, o dinheiro não é devolvido. Caso contrário, restitui-se.

GR 9.3 Jury of Appeal

GR 9.3.1 For Olympic Games and World Championships, the Jury of Appeal shall be composed of the Bureau Members and Honorary Members present with the President or in his absence a Vice President, as Chairman. For all other FINA competitions, the Jury of Appeal shall be the FINA delegate together with any Bureau Members or members of the appropriate Technical Committee present, with the delegate as chairman. Each member shall have one vote, except as provided hereunder, and in case of equality of voting, the Chairman has a casting vote.

Aqui a regra mostra como é montado o Juri de Apelação, composto por membros da FINA, com o seu presidente ou vice como presidente do Juri. Cada membro do Juri tem direito a um voto. Se houver empate, o “chairman” é o voto de desempate.

GR 9.3.2 A jury member is allowed to speak, but not to vote, on a case in which the interest of his own Federation is involved. A jury member having acted as an official is not allowed to vote on a case if there is a protest against his decision or on his interpretation of a Rule. In case of urgency, the jury may vote on a matter even if it has not been possible to call all the members. The decision of the jury is final.

Se o membro for da federação em que o protesto está envolvido, ele pode até falar, mas perde o direito ao voto. Se o membro estiver atuando na arbitragem, também não pode votar. Em caso de urgência – o que pode ter sido considerado – o Juri pode votar mesmo se não for possível chamar todos os membros.

E a decisão do Juri é final. Talvez não tão técnica, mas mais política.

Na Olimpíada de Atenas, em 2004, ocorreu também uma desclassificação. A prova era os 200m costas. O atleta desclassificado se chamava Aaron Peirsol. A fase era final. O árbitro alegou que Peirsol bateu perna durante o movimento da virada. No entanto, na época, a reversão foi bem mais rápida, ainda na beira da piscina com os atletas aguardando. Markus Rogan, que seria o maior beneficiado com a desclassificação, numa atitude realmente olímpica, recusou-se a sair da piscina enquanto não declarassem Peirsol o verdadeiro campeão.

O árbitro geral neste dia em Londres chama-se Bill Hogan. Ele é canadense e tem uma experiência para lá de ampla, mas no entanto esta é sua primeira Olimpíada (o que aliás o Canadá não conseguia colocar um árbitro olímpico há 16 anos). É membro do Comitê de Arbitragem da FINA e é o presidente da Comissão de Arbitragem do Canadá. Um currículo respeitável, mas que pôs tudo a perder por causa desse erro.

Sim, foi um erro, sem sombra de dúvidas. Confira no vídeo abaixo:

Mas isso a gente tem certeza de afirmar quando vê o vídeo.

De acordo com a FINA, o uso de recurso de vídeo não será válido nesta Olimpíada. Então no julgamento do caso, como iriam considerar que o nadador não queimou realmente?

Park teve um excelente tempo de reação, isso sim. É verdade que o bloco da Omega mede o tempo de reação dos nadadores, mas ele não detecta movimentos falsos durante a partida: isso é tarefa para o árbitro geral e para o juiz de partida.

Na hora de voltar atrás, outro “erro”, pois anunciaram Cochrane como finalista e depois disseram que “não, você não vai nadar”.

Uma opção não cogitada seria permitir que Cochrane e Park nadassem a final, chegando a 9 atletas. Isso seria possível, já que a piscina tem 10 raias. Mas agora é história. E uma bem turbulenta para os livros olímpicos.

Árbitro de Natação

Olá, eu sou o árbitro de natação e adoro discutir sobre regras de natação. Leia, releia, discuta e conheça as regras que movimentam o nosso esporte.

http://www.regrasdenatacao.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *