sábado, março 2, 2024
InícioPiscinaA "corda de escape"

A “corda de escape”

No artigo sobre saídas de mergulho, faltou uma explicação acerca a saída falsa: o uso da chamada “corda de escape”, ou “false start rope”.

A corda de escape tem uma única função: alertar os atletas que deram a saída – e que já estão nadando – que a saída não foi considerada.

Ela é instalada no lado mais próximo da cabeceira de saída, sempre na marca dos 15 metros. No caso de piscina de 50m, onde a saída das provas de 50m é realizada na cabeceira oposta, então outro poste com a corda de escape deve ser instalado também aos 15m da parede da cabeceira oposta.

A altura que esta corda deve ter acima do nível d’água, que consta na regra, é de 1,80m. Além disso, o sistema que leva a corda a cair na água deve ser simples, bastando apenas um toque forte para largar a corda. Aliás, a corda tem que cair em todas as raias, ficando disposta de maneira que “cubra” toda a largura da raia.

Apesar de afirmarmos que a corda de escape tem uma única função, ela também é utilizada (ela talvez não muito mas o poste sim) como referência da marca dos 15 metros, limite onde os atletas devem quebrar a superfície d’água após virar ou sair com nado submerso.

Já conseguem imaginar algumas situações ruins? Nadador que passa a corda e não “sente” e continua nadando, corda que não é acionada, corda que cai na água mas fica meio suspensa nas raias do canto…

No entanto, segundo o árbitro de partida da Fina, Renato Barroso, isso não é comum. Perguntamos em quais casos o juiz de partida decide dar o sinal de saída falsa e a corda de escape é acionada. “Só se houver alguma interferência que realmente atrapalhe a partida, como no caso de um barulho que provoque a saída falsa dos nadadores. Caso contrário, nem o sinal de saída falsa e nem a corda de escape são utilizados”.

Árbitro de Nataçãohttp://www.regrasdenatacao.com.br/
Olá, eu sou o árbitro de natação e adoro discutir sobre regras de natação. Leia, releia, discuta e conheça as regras que movimentam o nosso esporte.
RELATED ARTICLES

Most Popular

Recent Comments

ALCIDES PEREIRA DA SILVA on Vídeo: como é uma virada de costas regular
Lidyane Maciel on As categorias no Brasil
Bruno Gouvea on A saída de mergulho
Guilherme da Silva on Nado borboleta na categoria master
Maria Salete ribeiro on As categorias no Brasil
GABRIELA AMANCIO VELOSO on Como é calculado o índice técnico
Sandra Belarmina da Silva Rodrigues on As categorias no Brasil
Anonimo on Regras oficiais
Victor hugo on A saída de mergulho
Marco Túlio Vichinski Rocha on As categorias no Brasil
Gilson Ataides Rodrigues on As categorias no Brasil
Marcia on Regras oficiais
Fabiana Machado Santos on As categorias no Brasil
José Carlos on Regras oficiais
Eduardo Alvim on Regras oficiais
Marco Batista on Entre em contato!
Marco Aurélio Marques Batista on Entre em contato!
Marco Aurélio Marques Batista on Árbitros brasileiros relacionados na FINA
wendell de oliveira freire on Entre em contato!
luis on Regras oficiais
Erlon Pinheiro on Regras oficiais
paulo roberto de souza on Regras oficiais
Natan Cyrino Volpini on Entre em contato!
Natan Cyrino Volpini on Perfil: Marcelo Falcão
hudson furlanetto silva on Virada errada de costas
Fenelon Vieira de Carvalho on Como é feito um balizamento?
miguel on Regras oficiais
Ninfa Aliaga Tello on Perfil: Marcelo Falcão
arbitro on Regras oficiais
Eduardo on Regras oficiais
Fernando Franco on A saída de mergulho
Fenelon Vieira de Carvalho on Mudanças no nado peito
arbitro on Regras oficiais
Julio Cesar on A posição dos pés
Ronaldo Marra on A posição dos pés
arbitro on Trajes aprovados
celso dolivo on Trajes aprovados
Germano Colling on A posição dos pés
jose estevam simoes on Entre em contato!
Ernesto Lima Filho on Entre em contato!
LUIZ FERNANDO on As categorias no Brasil
Daniel Takata on Swim-off: o que é isso?
Alexandre on A saída de mergulho
Adalberto on Voltando a submergir
Adalberto on Regras oficiais
Andréa Coêlho on Regras oficiais