sábado, março 2, 2024
InícioNadadorNadando uma prova totalmente submerso: é legal?

Nadando uma prova totalmente submerso: é legal?

Para começar o artigo, a resposta: não, não é legal o atleta competir qualquer prova oficial totalmente submerso.

Basicamente todas as regras dos 4 estilos fazem menção a isso: o nadador deve quebrar a superfície d’água depois de cada virada e depois da saída até a marca dos 15 metros ou antes. No nado de peito, limita-se pelo número de filipinas.

Quebrar a superfície d’água significa que alguma parte do corpo deve estar fora d’água até os 15 metros. Pode ser a cabeça (o mais comum), o braço ou a perna.

No Campeonato Paulista Junior e Sênior de Verão, realizado no início de novembro na piscina do Sport Club Corinthians Paulista, o atleta Nelson Silva, um especialista no nado de costas, competiu a prova de 50m costas totalmente submerso e publicou o vídeo no Facebook como curiosidade, para saber se ele nadaria mais rápido apenas ondulando submerso ou nadando normalmente:

Sim, ele realmente nada mais rápido se utilizar somente do nado submerso, o que para muitos técnicos e especialistas é considerado como o “quinto nado”, e é amplamente utilizado pelos nadadores de alto nível porque o ganho em centésimos e até em segundos é muito grande quando comparado ao nado tradicional.

Apesar de dificilmente aparecer algo como o vídeo acima em campeonatos – e explicaremos o porquê – o nado submerso é um antigo conhecido dos espectadores. O japonês Daichi Suzuki e americano David Berkoff foram os responsáveis por trazer o nado submerso à tona (sem trocadilhos) durante a prova dos 100m costas nos Jogos Olímpicos de Seul, em 1988.

Foram aproximadamente 35 metros em 50 metros (70%) da prova competindo embaixo d’água.

Sim, existiam outros que nadavam além da marca dos 25 metros de forma submersa, mas esta demonstração foi suficiente para a FINA incluir em suas regras um limite de nado submerso, pois se continuasse dessa forma, o nado de costas, borboleta e livre ficariam descaracterizados já que mais da metade da prova os atletas passariam embaixo d’água. São as regras 6.4 (costas), 5.3 (livre) e 8.5 (borboleta).

A regra só não se estendeu ao nado de peito, que já tem uma limitação submersa que é a filipina: apenas uma filipina é permitida seguida ou não de uma golfinhada, esta última permissão inclusa após o Campeonato Mundial de Barcelona, em 2013.

Nada impede que o atleta pratique o nado submerso numa prova de borboleta, costas ou livre, durante todo o percurso, ou até mesmo parcialmente – mas ultrapassando o limite da regra de 15 metros. No vídeo abaixo vemos Ryan Lochte marcando 20s80 em 50 jardas submersas. Notem que somente ele está na piscina.

No entanto, fica o alerta àqueles que desejam fazer isso futuramente: além da natural desclassificação, o atleta e até mesmo a equipe que ele representa poderá sofrer outras penalidades sob o argumento de atitude anti-desportiva.

Para entender as consequências de uma atitude dessas é preciso se colocar como um árbitro da competição: ele está ali para prezar pelo andamento correto da prova, bem como pelo respeito às regras e aos adversários. Permitir uma atitude desta ou ser conivente, “achar engraçado”, mesmo se o atleta alertou-o antes, é ir contra à atitude competitiva.

Imagine se numa prova de 100 peito um dos atletas, “para zoar”, nada borboleta. Pode até ser divertido para o atleta que praticou a irregularidade, mas para os outros com certeza não será bem recebido porque tal atitude pode desestabilizar os adversários que, incomodados, são influenciados negativamente pela “zoeira”.

Nestes casos, ao fim da prova, o árbitro geral não só deve desclassificar o atleta, como também adverti-lo e advertir seu técnico sobre a atitude anti-desportiva, e se o árbitro geral julgar necessário, aplica-se uma penalidade ainda maior, suspendendo o atleta da competição e levando o caso ao Tribunal de Justiça Desportiva, sujeito a outras sanções e multa.

Houve um caso, não muito famoso mas muito irregular, onde durante um evento amistoso nos Estados Unidos, numa prova de revezamento, os atletas faziam acrobacias na saída, no nado e na troca entre atletas.

Não há como negar: sim, é realmente engraçado a atitude, mas imagine você que esta atitude acaba por influenciar as outras equipes na prova, que podem justificar serem humilhadas, ridicularizadas e, por último, prejudicadas.

É importante que o atleta saiba que em uma competição, está pré-estabelecido que ele seguirá as regras do “jogo” e também respeitará o “jogo”. E é importante que tanto o atleta quanto o técnico e o público presente saibam que o árbitro geral está na competição para fazer cumprir as regras e respeito ao “jogo”, para que a competição decorra da forma esperada.

Árbitro de Nataçãohttp://www.regrasdenatacao.com.br/
Olá, eu sou o árbitro de natação e adoro discutir sobre regras de natação. Leia, releia, discuta e conheça as regras que movimentam o nosso esporte.
RELATED ARTICLES

Most Popular

Recent Comments

ALCIDES PEREIRA DA SILVA on Vídeo: como é uma virada de costas regular
Lidyane Maciel on As categorias no Brasil
Bruno Gouvea on A saída de mergulho
Guilherme da Silva on Nado borboleta na categoria master
Maria Salete ribeiro on As categorias no Brasil
GABRIELA AMANCIO VELOSO on Como é calculado o índice técnico
Sandra Belarmina da Silva Rodrigues on As categorias no Brasil
Anonimo on Regras oficiais
Victor hugo on A saída de mergulho
Marco Túlio Vichinski Rocha on As categorias no Brasil
Gilson Ataides Rodrigues on As categorias no Brasil
Marcia on Regras oficiais
Fabiana Machado Santos on As categorias no Brasil
José Carlos on Regras oficiais
Eduardo Alvim on Regras oficiais
Marco Batista on Entre em contato!
Marco Aurélio Marques Batista on Entre em contato!
Marco Aurélio Marques Batista on Árbitros brasileiros relacionados na FINA
wendell de oliveira freire on Entre em contato!
luis on Regras oficiais
Erlon Pinheiro on Regras oficiais
paulo roberto de souza on Regras oficiais
Natan Cyrino Volpini on Entre em contato!
Natan Cyrino Volpini on Perfil: Marcelo Falcão
hudson furlanetto silva on Virada errada de costas
Fenelon Vieira de Carvalho on Como é feito um balizamento?
miguel on Regras oficiais
Ninfa Aliaga Tello on Perfil: Marcelo Falcão
arbitro on Regras oficiais
Eduardo on Regras oficiais
Fernando Franco on A saída de mergulho
Fenelon Vieira de Carvalho on Mudanças no nado peito
arbitro on Regras oficiais
Julio Cesar on A posição dos pés
Ronaldo Marra on A posição dos pés
arbitro on Trajes aprovados
celso dolivo on Trajes aprovados
Germano Colling on A posição dos pés
jose estevam simoes on Entre em contato!
Ernesto Lima Filho on Entre em contato!
LUIZ FERNANDO on As categorias no Brasil
Daniel Takata on Swim-off: o que é isso?
Alexandre on A saída de mergulho
Adalberto on Voltando a submergir
Adalberto on Regras oficiais
Andréa Coêlho on Regras oficiais